POSTOS REPASSAM REAJUSTE DA PETROBRAS, E GASOLINA PASSA DE R$ 6 EM BH

Foto: Ilustração

Foto: Ilustração

Postos de Belo Horizonte começaram a repassar o reajuste do preço da gasolina aos motoristas nesta terça-feira (09/07). Como era previsto, ela ultrapassa a fronteira dos R$ 6 em alguns deles. Nesta manhã, a reportagem encontrou uma variação de R$ 5,87 até R$ 6,39.

Na Via Expressa, na altura do bairro Coração Eucarístico, a gasolina estava R$ 5,87, mesmo preço de antes do reajuste da Petrobras. Já em dois postos na avenida Amazonas, ela foi encontrada por R$ 6,39. Em quase todos os demais na avenida, por R$ 5,99.

A Petrobras reajustou a gasolina em 7,12% e previu um reflexo de R$ 0,15 na bomba para o consumidor. Ao mesmo tempo, a pressão de alta do etanol pode alçar o aumento médio a R$ 0,20, segundo analistas do mercado, dado que a gasolina nos postos é uma mistura com álcool. Cada posto, porém, tem liberdade para modificar os preços abaixo ou acima do reajuste praticado pela estatal.

Já havia postos com gasolina acima de R$ 6 no final de junho em BH. O preço médio na capital era R$ 5,98, segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), e o valor máximo de revenda, R$ 6,19.

Este é o primeiro reajuste que a Petrobras realiza no ano — o aumento do preço da gasolina a que os motoristas têm assistido em BH nos últimos meses deve-se a outros fatores de mercado, e não a aumentos promovidos pela estatal. A petrolífera anunciou o novo aumento em meio à pressão para diminuir a defasagem de preço do combustível nacional em relação ao preço internacional do petróleo e à alta do dólar.

O Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo no Estado de Minas Gerais (Minaspetro) justifica que a alta do preço da gasolina vem se avolumando nas últimas semanas, desde antes do anúncio da Petrobras, devido a aumentos de custo repassados pelas distribuidoras.

"Para se ter uma ideia, nos últimos 30 dias, o etanol anidro – que compõe o preço da gasolina em 27% – subiu R$ 0,29. Assim como a população, o empresário repudia qualquer aumento de preço do combustível, o que reflete diretamente em perda de venda na pista de abastecimento e aumento da necessidade de capital de giro. É preciso reforçar que o posto é o último elo da cadeia produtora de combustível, ficando, assim como os consumidores, à mercê de distribuidoras, refinarias e produtoras de etanol", afirma, em nota.

Mesmo com o aumento que começa a valer nesta terça, a gasolina da Petrobras está defasada em R$ 0,34 em comparação ao preço internacional, segundo a Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom). Há pouco mais de um ano, a empresa abandonou o Preço de Paridade de Importação (PPI), política que balizava o valor da gasolina nacionalmente com base nos valores do exterior.

O preço internacional ainda é um fator considerado pela Petrobras, porém não mais o principal. A nova presidente da empresa, Magda Chambriard afirmou, em sua primeira entrevista após a posse, que pretende manter os preços do combustível "abrasileirados".