CRIANÇAS AUTISTAS MALTRATADAS SÃO ADOTADAS POR CASAL DO GLÓRIA

Foto: Divulgação/ Folha da Manhã

Foto: Divulgação/ Folha da Manhã

Na √ļltima terça-feira, dia 2, foi lembrado o Dia Mundial da Conscientização do Autismo, ou simplesmente, Dia Mundial do Autismo. Hoje, voc√™ vai conhecer uma história comovente sobre tr√™s fam√≠lias, sendo duas com atitudes de maus-tratos a duas crianças, e uma que acolheu ambas com muito carinho e amor, tirando-as do extremo sofrimento f√≠sico e psicológico como pais adotivos.

Os fatos tiveram in√≠cio no final de 2019, quando um casal do munic√≠pio foi chamado em Arcos (MG) para tomar ci√™ncia de que uma garota de 10 anos e um menino de 8, estariam sendo judiados pelo padrasto, irmão do homem que hoje cuida das crianças. A situação era tão grave que ambas perderam a guarda da mãe biológica, e do pai, que se separou da mulher sem oferecer nenhum apoio aos tr√™s.

A mãe adotiva, Senilda Coelho Rosa da Silva, de 52 anos, casada com Valmir da Silva Coelho, de 40, pais de uma filha, de 31, enfermeira que trabalha na Santa Casa de Passos, e um filho, de 29, veterin√°rio em Belém (PA), conta que depois de 24 anos voltou a reviver a rotina de cuidar de dois filhos, mas em situação completamente diferente a partir de 1993, quando nasceram Milena e Jackson. Os adotivos Geovana e Pablo, de 15 e 12 anos, respectivamente, foram diagnosticados com Transtorno do Espectro Autista (TEA) no in√≠cio de 2020.

Senilda relata que Geovana e Pablo, filhos de uma mulher pobre em São João Batista do Glória, juntamente com o esposo, não tinham condições de cuidar delas. Então, optaram por lev√°-las para os avós paternos que moram em Passos, porém não foram capazes de oferecer assist√™ncia necess√°ria às crianças.

"Pelos relatos de pessoas ligadas aos idosos, ficamos sabendo que as crianças eram judiadas desde que nasceram. Tudo de ruim elas recebiam dos pais biológicos e dos avós. Agressões f√≠sicas, psicológicas, passavam fome, não tinham higienização di√°ria e eram tratadas como animais domésticos. Cresciam com sofrimento extremo e desumano", contou Senilda.


Os idosos devolveram os netos para a mãe, residente no Glória, que na época, namorava um outro homem. Em 2019, ele conseguiu um emprego em Arcos e, para l√°, os quatro se mudaram. A situação ao invés de melhorar, piorou ainda mais. As crianças continuaram a ser maltratadas, e para tentar amenizar o sofrimento, foram matriculadas em uma creche. Fora do hor√°rio de proteção educativa e psicológico, Geovana e Pablo continuavam a padecer nas mãos da mãe e do padrasto.

Por esses e outros motivos, o padrasto foi preso, deixando a mãe dos meninos gr√°vida do terceiro filho, que também era ter o mesmo destino, porém em Arcos não tem cela para mulher. Ela ficou sob em casa e com restrições impostas pela justiça, até surgir uma vaga no pres√≠dio de Belo Horizonte, onde deu ao terceiro filho, que também nasceu com o TEA e S√≠ndrome de Einstein, caracter√≠stico dos interesses obsessivos, dificuldades de comunicação e problemas para se relacionar.

Diante da grave situação, Sinilda e Valmir, irmão do padrasto preso, foram chamados pela justiça em Arcos. A par dos graves problemas, eles foram determinados a voltar à casa das crianças todos os finais de semana. No final de 2019, trouxeram Geovana e Pablo para o Glória onde ficaram entre o Natal e a passagem de ano.

"As coisas mudaram totalmente e as crianças se recusaram a voltar para Arcos. Em conversa com a promotora daquela cidade, nos autorizaram ter a guarda definida das crianças, enviaram todos os documentos para o Fórum de Passos e passamos aos cuidados delas como se fossem nossos filhos. Parece que Deus nos iluminou e o amor por eles até parece igual à Milena e Jackson", afirmou contente a Senilda que se considera cristã evangélica.

Alteração de nome

De tanto sofrer nas mãos dos pais, avós e padrasto, a mãe adotiva revelou que Geovana se tornou uma criança muito emudecida, triste, e apesar de falar, não revela nada sobre o seu passado. "Ela se comunica sobre o assunto apenas através de desenhos a l√°pis. Não comenta nada desde quando se lembra ser humana, talvez porque sofre de autismo n√≠vel 2 e mente infantil como se tivesse 4 anos. Depois que veio para a nossa casa, se tornou outra pessoa, e graças a generosidade do povo gloriense, tem tudo que uma criança quer, inclusive o Pablo, que sofre de hiperatividade, autismo leve e Transtorno de Oposição Desafiante (TOD)", explicou.

Ano passado, Geovana pediu a Senilda para mudar de nome, dizendo que o registro de Gabriela era triste, e o atual significa felicidade. "Perguntei à promotora se podia, ela autorizou. Ela j√° tem o CPF e em breve vamos conseguir uma nova carteira de identidade. Além de estudar, juntamente com o Pablo, são alunos municipais, recebem

toda a assist√™ncia da prefeitura através dos profissionais como psicólogo, psiquiatra e assist√™ncia social", contou a mãe adotiva.

J√° se aproximando da fase da adolesc√™ncia, est√° cadastrada na Lei Orgânica de Assist√™ncia Social (Loas), lei federal brasileira que estabelece a proteção social b√°sica e especial para pessoas em situação de vulnerabilidade social. Recebe um sal√°rio m√≠nimo que serve como ajuda de custo.


Créditos: Ézio Santos, especial para a Folha da Manhã.