FURNAS SEGUE COM NÍVEL ACIMA DE 94% MESMO APÓS ABERTURA DE VERTEDOUROS

Última vez que a usina hidrelétrica de furnas abriu as comportas pra controlar o nível da água foi em 2012. Lago está 767,3 metros acima do nível do mar, com volume de 94,43%

Furnas segue com nível acima de 94% mesmo com aumento de vazão após abertura de vertedouros ¬- Foto: Reprodução/EPTV

Furnas segue com nível acima de 94% mesmo com aumento de vazão após abertura de vertedouros ÔŅĹ- Foto: Reprodução/EPTV

O volume útil do Lago de Furnas é de 94,43%, marca que não era atingida h√° 11 anos. A hidrelétrica est√° com os vertedouros abertos desde o meio de janeiro e, mesmo com o aumento da vazão, segue com grande volume, além de ter atingido 767,3 metros acima do nível do mar.

São 1,5 m¬≥ por segundo que descem pela barragem de Furnas, em São José da Barra. O cen√°rio não era visto h√° anos, pois a última vez que a Usina Hidrelétrica de Furnas abriu as comportas para controlar o nível da √°gua foi em 2012.

Onze anos depois, a ação foi necess√°ria outra vez devido ao grande volume de chuva na bacia do Rio Grande nas últimas semanas.

Segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a abertura das comportas ajuda a regular o volume de √°gua dos cursos dos rios e reduzir o impacto das vazões elevadas. Ainda assim, a população que vive às margens da represa precisa ficar atenta.

"A população ribeirinha tem que ficar atenta. Estamos aumentando a vazão e faz muito tempo que isso não acontecia. Muitas das √°reas de v√°rzea, as √°reas próximas aos cursos d'√°gua estão sendo ocupadas e as pessoas podem se surpreender. Na história isso mostra muita gente morrendo, ilhada em situações como essas", explicou o professor da Unifei Afonso Henrique Moreira Santos.

Hoje, o Lago de Furnas est√° em 767,3 metros acima do nível do mar, cinco metros a mais do que determina a cota 762.

"Porque, então, não encher mais e atingir 100%? Nós temos que tem um volume de espera, um volume que é uma reserva, que de repente, h√° uma chuva muito grande e intensa, o volume de √°gua chegando ao reservatório, o vertedouro não seria capaz de passar aquela √°gua. Portanto, preciso ter o volume de atenuação, esse volume que vai segurar a √°gua, sem levar risco à população e também à segurança estrutural da barragem. É muito importante não deixar a √°gua chegar ao nível de galgar a barragem, o que poderia ocasionar um acidente catastrófico", pontuou o professor.

Chuvas de janeiro

O diretor do Instituto de Recursos Naturais da Universidade Federal de Itaju√° (Unifei), Marcelo de Paulo Correa, explicou que, ao contr√°rio do que parece, o m√™s de janeiro teve mais chuvas que o normal. Segundo ele, os últimos anos é que registraram menos chuvas.

"Este m√™s de janeiro ele teve chuva um pouco acima da média na região. Ele não é o janeiro mais chuvoso dos últimos 10 anos. Tivemos nos últimos tr√™s anos meses de janeiro com chuva abaixo da média. Essas chuvas que caíram em 2023 fizeram com que neste m√™s tenhamos o que é esperado de chuvas para este verão", falou o diretor.

"Essas chuvas foram um alento para os reservatórios. Tivemos alguns anos de muita estiagem, diminuição da disponibilidade hídrica e, consequentemente, preocupação com a √°gua para o uso cotidiano, geração de energia e todas as necessidades. Esperamos que essas chuvas, que t√™m sido recorrentes, sejam suficientes para que os reservatórios atinjam os níveis mínimos adequados. É muito difícil fazer uma estimativa para o inverno, mas esperamos que este ano não tenhamos um sufoco em relação à disponibilidade hídrica", finalizou.